terça-feira, 27 de maio de 2014

JUNTE-SE A NÓS NESTA MISSÃO! PRECISAMOS DE SUAS ORAÇÕES E APOIO!

     Ao contrário do que muitos podem pensar, a Itália é um país de grande necessidade espiritual, bem como grandes desafios. O número de evangélicos ainda é muito pequeno (cerca de 0,62%) e a maioria dos municípios do norte da Itália (onde estamos) não tem nenhuma Igreja Evangélica, a exceção são as grandes cidades, onde se pode encontrar algumas Igrejas Evangélicas. Em cerca de 70% dos 8.092 municípios (comuni) não existe uma única Igreja Evangélica. A pressão espiritual e dificuldades burocráticas para Igrejas Evangélicas são muito fortes. Itália é o país do Ocidente com menos liberdade religiosa no mundo.
     Nós realmente precisamos muito das orações de todos!

UNITEVI A NOI IN QUESTA MISSIONE! ABBIAMO BISOGNO DELLE VOSTRE PREGHIERE E SOSTEGNO!

     Contrariamente a quanto molti potrebbero pensare, l'Italia è un paese di grande bisogno spirituale, così come grandi sfide. Il numero degli evangelici è ancora molto piccolo (circa 0,62 %) e la maggioranza dei comuni del Nord Italia (dove siamo) non ha alcuna Chiesa Evangelica, l'eccezione sono le grandi città dove è possibile trovare alcune Chiese evangeliche. In circa il 70% dei 8.092 comuni non esiste una sola Chiesa Evangelica. La pressione spirituale e le difficoltà burocratiche per le Chiese Evangeliche sono molto forti. L'Italia è il paese dell'Occidente con meno libertà religiosa nel mondo .
     Abbiamo davvero molto bisogno delle preghiere di tutti!

JOIN US IN OUR MISSION! WE NEED YOUR PRAYERS AND SUPPORT!

    Contrary to what many may think, Italy is a country of great spiritual need as well as great challenges. The number of evangelicals is still very small (about 0.62%) and the vast majority of the cities of Northern Italy (where we are) don’t have any Evangelical Church, the exception are the big cities, where one can find a few Evangelical Churches. In about 70% of 8.092 municipalities (comuni) there is not a single Evangelical Church. The spiritual pressure and bureaucratic difficulties for Evangelical Churches are very strong. Italy is the country of the Occident with less religious freedom in the world.
    We really need very much the prayers of everyone!

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Carta Informativa - Maio de 2014

Castelnuovo del Garda, 19 de maio de 2014.

“Entristecidos, mas sempre alegres; pobres, mas enriquecendo a muitos; nada tendo, mas possuindo tudo.” (2 Co 6.10)

Amados irmãos e companheiros na obra missionária,
     Graça e paz da parte de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
     Apesar dos desafios de cada dia, Deus não tem nos deixado sozinhos. Como disse numa outra carta, os desafios e lutas servem para por à provar as nossas convicções. Talvez muitos não imaginem como é desafiadora a obra missionária na Itália. A pressão espiritual, burocrática, financeira e os desafios para alcançar os italianos com o Evangelho testam as nossas convicções e penso que poucos consigam entender isto inteiramente, mas se realmente não tivéssemos profunda convicção do nosso chamado para a Itália, muito provavelmente teríamos desistido. No entanto, o Senhor tem nos fortalecido a cada dia com sua graça e assim temos prosseguido avante no nome de Jesus!
     Graças a Deus a Alessandra está quase recuperada de uma forte infecção que começou na garganta, depois veio uma sinusite e por fim otite. Ela teve de tomar antibiótico por mais de 10 dias, mas ainda está saindo inflamação de um dos seus ouvidos. Por favor, orem pela restauração completa de sua saúde e para que Deus esteja guardando a nossa saúde.
     Estamos ainda esperando a resposta do Consulado da Itália em Portugal a respeito dos nossos vistos. Já se passaram dois meses e eles não nos deram nenhuma resposta ainda, apesar de ter escrito para eles duas vezes. Precisamos de uma resposta o mais rápido possível quanto a isso. Assim que tivermos a resposta vamos ter que ir novamente a Portugal. Por favor, orem para que Deus abra as portas dos vistos e para os recursos para esta viagem. Toda vez que temos uma despesa extra temos uma grande dificuldade nos meses seguintes para tentar colocar as coisas em ordem novamente.
     Com certeza a vida do missionário é marcada pelas lágrimas, mas o Senhor tem prometido também a alegria como resultado da semeadura (Sl 126.5,6). Temos visto a mão de Deus abençoando o nosso trabalho e de toda a Igreja. Estamos bastante animados com os cultos nas casas, onde temos algumas pessoas que não podem ir na igreja, mas que têm demonstrado grande vontade em conhecer o Senhor Jesus. As igrejas evangélicas no norte da Itália além de serem poucas, muitas vezes se encontram em lugares distantes dos centros urbanos e pouco visíveis, devido algumas restrições das leis, que restringem as zonas onde as igrejas são permitidas. Também temos várias restrições quanto ao evangelismo, no entanto preparamos um folheto especial para despertamos a atenção dos italianos e assim alcança-los com a Palavra de Deus. Estamos organizando e buscando a autorização para que possamos colocar este folheto em cada lar do nosso município e depois ir estendendo a outros vizinhos. Outro projeto que conseguimos colocar em prática foi o site da Igreja (www.adcastelnuovo.it), onde temos também nossos cultos online, que com certeza será uma outra importante ferramenta para alcançar os italianos para Cristo. Em nosso primeiro culto online tivemos cerca de sete espectadores de diferentes cidades da Itália. A ideia veio de um irmão italiano que via a importância deste instrumento para alcançar outros italianos, como pudemos ver em uma experiência que tivemos algumas semanas atrás, onde um italiano que estava de passagem e buscava o endereço de uma igreja encontrou o telefone do pastor na internet. Orem para que possamos ver uma grande colheita de almas para Cristo nesta nação.
     Somos muito gratos a Deus pela vida de todos amados irmãos que têm segurado as cordas da oração e contribuição, para que possamos continuar a realizar a obra do Senhor em terras italianas. Muito obrigado a todos!

     Com gratidão,

Pr. Paulo Henrique, Alessandra e Lucas
-----------------------------------------------------
Escreva para nós através dos e-mails:
ppaulo_henrique@hotmail.com | ppaulohenrique@gmail.com | alessandraccunha@hotmail.com

Para contribuir:
Banco do Brasil Ag 3159-3 C/C 6573-0 ou Banco Itaú Ag 6116 C/C 00485-1 (Paulo Henrique P. Cunha)

Os verdadeiros santos

    O fato de se apoiar na tradição humana (doutrina de homens - Mt 15.9; Mc 7.7; Ef 4.14) e ignorar o que a Bíblia diz a respeito dos verdadeiros santos têm levado muitas pessoas ao erro. Um dos marcos da reforma Protestante foi o resgate da pureza do Evangelho e o retorno às Escrituras (Bíblia). Assim, a autoridade suprema que define os verdadeiros santos é a Palavra de Deus, não a decisão de qualquer pessoa, concílio ou igreja.
     Um dos textos bíblicos onde podemos, de forma clara e simples, entender quem são os verdadeiros santos é 1Coríntios 1.1-2, que diz: “Paulo (chamado apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus) e o irmão Sóstenes, à igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso”.  Como se pode ver claramente neste texto e em tantos outros (At 9.13,32; 26.10; Rm 8.27; 12.13; 15.25,26; Fp 4.21; Ef 4.12; 5.3, etc.) o nome mais comumente usado para o crente no Novo Testamento é “santo”.  O Novo Testamento, em parte alguma, apresenta os santos como pessoas especialmente devotas ou perfeitas no âmbito da igreja. Não há nenhuma evidência no Novo Testamento que somente aqueles que demonstram grandes dádivas ou realizações podem ser chamados de santos. O apóstolo Paulo chama os crentes de Corinto de “santos”, o que não significa que eles eram perfeitos, pois podemos ver que aqueles crentes possuíam várias e graves falhas (1Co 1.10,11; 3.1,3; 5.1,2).
     A palavra “santo” no grego do Novo Testamento é “hagios”, que possuía originalmente um conceito de algo pertencente ao culto a Deus, sendo usado para descrever um templo ou sacrifício, indicando aquilo que era consagrado ou dedicado a Deus. O mesmo conceito pode ser visto no Antigo Testamento onde coisas, lugares, datas, animais e até pessoas foram santificados, isto é, consagrados a propósitos sagrados (Gn 2.3; Ex 13.2; 20.8; 28.2; 40.10-13; Lv 25.10; 23.2; Nm 18.17; Dt 5.12). Este aspecto indicava a posse de Deus, bem como a dedicação e separação destes elementos para o serviço de Deus.
      A palavra “hagios” deriva da mesma raiz da palavra “santificado” (gr. “hagiázō”), transmitindo a ideia de algo separado para Deus. A ideia dominante em toda a Bíblia mostra que santos são aqueles que foram separados (tirados) do pecado, e foram colocados à parte para servir inteiramente a Deus. O apóstolo Paulo afirma que os crentes são santificados em Cristo Jesus. Contrariamente ao que muitos pensam ser santo, os crentes de Corinto eram santos aos olhos de Deus, apesar de ainda viverem uma vida pecaminosa e da doutrina distorcida. Eles não eram santos em si mesmos, mas foram “santificados em Cristo Jesus” (1Co 1.2), que os salvou da corrupção, da perdição e os remiu (comprou) para si pelo preço de seu sangue e de sua vida. Eram pessoas normais com suas falhas, erros e pecados, mas que através da graça (favor imerecido) de Deus foram chamados para viver uma vida consagrada (dedicada) a Deus e separada do pecado. Ser santo é estar em Cristo!  Em 1 Coríntios 6.11, Paulo mostra esta obra de santificação, como algo já realizado em nome de Jesus e pelo Espírito Santo e não algo que precisa ainda ser alcançado. Por esta razão, Paulo podia escrever aos crentes de diversas igrejas e chamá-los de santos (1Co 1.2; 2Co 1.2; Ef 1.1; Fp 1.1; Cl 1.2). Como esclarece Merril C. Tenney, “hagios, quando aplicado aos cristãos, significa colocado à parte para Deus, reservado para seu louvor e serviço. Os crentes são feitos santos pela obra salvadora de Cristo na cruz, que os separou desse presente mundo mau, e os transportou para o reino do querido Filho de Deus (Cl 1.13). Eles são feitos santos continuamente pela obra do Espírito dentro deles, que os capacita a responder às convocações do NT para viver em justiça e pureza”.[1]
      A santificação é a operação contínua do Espírito Santo na vida do crente. É um processo contínuo que começa bem no início da vida cristã, no momento da conversão (quando o crente é santificado em Cristo – santificação posicional), envolvendo uma mudança moral, e que continua ao longo de toda a vida cristã (santificação progressiva). Durante a Idade Média se popularizou a ideia de que para se viver uma vida de santidade devia-se viver recluso, afastado da vida comunitária e das atividades comuns, no entanto tal ideia não está de acordo com os ensinos de Jesus (Mt 5.14-16).  Quando o apóstolo Paulo chama os cristãos de santos (“hagios”), ele está dizendo que o crente é uma pessoa diferente das outras porque pertence a Deus e está a seu serviço. Barclay destaca que “esta diferença não deve ser marcada pela retirada da vida comunitária e das atividades comuns, mas mostrando na vivência diária uma diferença de qualidade e caráter que irá caracterizá-lo como um homem de Deus". [2]
     Assim, ser santo não significa um cristão especialmente piedoso ou dedicado que tenha sido canonizado por um concílio eclesiástico. Os crentes são santos, não por canonização humana, mas por operação divina. Os verdadeiros santos são aqueles que foram chamados por Deus e santificados em Cristo Jesus e, ainda que sujeitos ao pecado (1Jo 1.8) enquanto na carne (corpo físico), não vivem na prática continua do pecado (1Jo 5.18), buscando viver para Deus e no seu serviço (Rm 12.1,2).

Por Pr. Paulo Henrique P. Cunha

[1] TENNEY, Merril C. Enciclopédia da Bíblia Vol 5. São Paulo: Cultura Cristã, 2008, p. 458.

[2] BARCLAY, William. The Letters to the Corinthians. Philadelphia: The Westminster Press, 1954, pp. 11-12.