domingo, 26 de abril de 2009

Formatura do Curso de Capacitação Missionária de SEMIPA


* Por Pr. Paulo Henrique

Os alunos da Turma do Ano de 2009 do Curso de Capacitação Missionária de SEMIPA – Extensão em Águas Claras chegam ao dia tão esperado, o dia da Formatura.
Na verdade, este dia não marca o fim e, sim o início de uma carreira de envolvimento e comprometimento na obra missionária. Temos certeza que ao término deste curso nossos alunos não são mais os mesmos, nem a sua percepção e envolvimento missionário. Foi um tempo de crescimento, onde o Espírito Santo ministrou em nossos corações e nos levou a um nível mais elevado, de onde pudemos entender, mais claramente, a missão de Deus (Missio Dei), da qual a Igreja de Cristo na terra é participante através da obra missionária (missões – as missiones ecclesiae). Convém destacar aqui a diferença de Missão e Missões. De uma maneira mais clara podemos dizer que missão (a missão de Deus ou Missio Dei) é o plano de Deus para a redenção da raça humana. Missões (as missiones ecclesiae) são as diferentes iniciativas humanas para promover a missão de Deus.
Deus não é um achado arqueológico nem tão pouco teológico. Ele escolheu a Si Mesmo se revelar. A Bíblia é fruto desta auto-revelação de Deus. Podemos afirmar com muita propriedade que a Bíblia Sagrada é essencialmente um livro missionário, pois missões aparece em toda a Bíblia. Nela podemos perceber que o próprio caráter de Deus é missionário.
Em seu Livro Missão Transformadora, David Bosh cita o teólogo Martin Kahler, que há mais de 100 anos disse que a missão é “a mãe da teologia”. De acordo com Kahler, a igreja foi forçada a fazer teologia no contexto de uma “situação emergencial”, por causa de seu encontro missionário com o mundo.
Missões está em toda Bíblia e, mais claramente, no Novo Testamento. A evangelização do mundo é o imperativo do Novo Testamento. “O evangelho deve ser proclamado entre as nações” (Mc 13.10).
Quando pensamos em missões, nos vem à mente a proclamação do evangelho em todo o mundo. Isto deve ser feito conforme Cristo ensinou, pela Sua Igreja. Cristo não nos deixou uma opção, mas uma ordem clara, que chamamos de “Grande Comissão”. Esta Grande Comissão consiste nas últimas instruções de Jesus a seus discípulos e que se encontra registrado nos quatro Evangelhos (Mt 28.18-20; Mc 16.15,16; Lc 24.46-49; Jo 20.21,22), bem como no livro de Atos dos Apóstolos (1.8). Nesta grande comissão, dois imperativos se destacam: “Fazei discípulos” (Mt 28.19) e “pregai o evangelho” (Mc 16.15).
O livro de Atos é o autêntico registro missionário dos apóstolos e da Igreja Primitiva. Poderíamos dizer também que, são os Atos do Espírito Santo através de homens e mulheres, pecadores, que cometem erros, mas que foram salvos pela Graça, que estavam dispostos a ir até a morte, para obedecer a Deus e fazer Seu nome conhecido até os confins da terra. É interessante destacar que o livro de atos termina, quase que abruptamente (de forma inesperada), com a prisão de Paulo e seu ministério em cadeias na cidade de Roma. Eu penso que o Espírito Santo assim o fez, para nos mostrar que os Atos dos Apóstolos (apostelo, palavra grega equivalente a palavra missionário em latim) ou os Atos do Espírito Santo ainda não terminaram. O Espírito Santo ainda está a escrever o livro de Atos. Nos céus estão sendo registrados os atos daqueles que, em obediência a ordem de Cristo, estão envolvidos e comprometidos com a missão de Deus, pela obra missionária.
Anunciar o evangelho para o apóstolo Paulo não era uma opção, mas uma obrigação. “Pois, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, porque me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho!” (1Co 9.16). Depois de muitos anos de trabalho árduo, sofrendo perseguição dos de fora, os não-cristãos, como também dos de dentro, os falsos irmãos (2Co 11.26), Paulo pôde afirmar em 2 Tm 4.7,8 (NVI): “Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé. Agora me está reservada a coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos que amam a sua vinda.”
Nós ainda não chegamos a este ponto. Ainda não terminamos a carreira, a corrida. Ainda temos que continuar a correr a carreira que está nos proposta, sempre combatendo o bom combate. Aqui, convém lembrarmos da recomendação de Jesus aos Seus discípulos em Lc 9.62: “...Ninguém que lança mão do arado e olha para trás é apto para o reino de Deus.” Dentre as muitas possíveis interpretações deste versículo, penso que uma das lições que podemos extrair é a perseverança. Um trabalhador, após algumas horas de trabalho, poderia olhar para trás e, se contentar com o que já havia sido feito. Mas Jesus diz para continuarmos olhando para frente, para o campo que ainda precisa ser arado. Quando olhamos para trás achamos que fizemos muito, ou pelo menos o bastante, mas quando olhamos para frente podemos ver o quanto falta ainda para ser realizado e, somos desafios por Deus a ir mais além, a fazer um pouco mais, a continuarmos, a nunca desanimarmos, a não desistirmos... Afinal, os campos estão brancos para a ceifa. Levantemos os nossos olhos!
PARABÉNS A TODOS OS FORMANDOS!

* Pr. Paulo Henrique foi escolhido para falar em nome dos Professores do Curso de Capacitação Missionária de SEMIPA na formatura da primeira turma da Extensão em Águas Claras - São José do Vale do Rio Preto - RJ, no dia 25 de Abril de 2009.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Sua oração pode ser um investimento eterno!

Oração é o único meio adequado para multiplicar nossos esforços, rápido o suficiente para ceifar a colheita que Deus deseja...
Talvez nos falte qualidades especiais ou treinamento. Mas nós podemos sempre trabalhar com Deus através da oração... Oração é a maneira suprema de sermos trabalhadores juntos com Deus...
Oração não é apenas um meio para comunicar com Deus e receber ajuda de Deus, é também um investimento eterno! O registro (de nossas orações) nos céus são adequadamente mantidos pelos anjos. Nosso Deus não é injusto para esquecer seu trabalho e amor que você tem mostrado por Ele, ajudando outros (Heb 6:10). Também Ele não é passível a se esquecer o seu sagrado e ardente desejo, sua intercessão e suas lágrimas. Orações egoístas se perderão, mas as tais não são verdadeiras orações. Nem orações feitas com as motivações erradas terão qualquer validade perante Deus (Tiago 4:3).
Intercessão pela salvação de outros, para a edificação da Igreja de Cristo, por reavivamento entre o povo de Deus e pela evangelização do mundo, todas partilham de caráter eterno... Tais orações não podem morrer até que sejam cumpridas de acordo com a santa vontade de Deus. Tais orações são eternos investimentos...
Orações feitas no Espírito nunca morrem até que elas sejam realizadas de acordo com o propósito planejado de Deus. Sua resposta pode não ser o que nós esperamos ou quando esperamos, mas Deus freqüentemente nos concede muito mais abundantemente além do que podemos pensar ou pedir. Orações sinceras nunca se perdem...
Orações feitas de acordo com a vontade de Deus nunca se perdem. Deus as preserva em Seu próprio registro e um dia elas serão respondidas. Ele recompensará inteiramente todos aqueles cujas orações ajudaram vencer batalhas espirituais e abriram portas para o trabalho de Deus (missionário) no mundo.

Extraído do Livro:
Touch the world through Prayer (Toque o mundo através da Oração) - Wesley L. Duewel - OM Books (Tradução Livre)

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Carta Informativa - Abril de 2009

São José do Vale do Rio Preto / RJ, 06 de Abril de 2009.

Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela.” (Sl 127.1)

Amados irmãos e companheiros na obra missionária,

Graça e a paz da parte de nosso Senhor Jesus Cristo.

É uma grande alegria poder lhes escrever mais uma vez. Somos imensamente gratos a todos vocês que têm nos acompanhado e participado de nosso ministério na obra missionária.
Como informamos na última carta, estamos em contato com a Assembléia de Deus na Itália. O Pr. Marcelo Martins nos colocou em contato com o Pr. Francesco que é Italiano e empresário na Espanha. O Pr. Francesco já foi missionário na Itália por mais de 20 anos, trabalhando com a Assembléia de Deus. O Pr. Francesco tem sido nosso contato com o Concílio Geral da Assembléia de Deus na Itália. Nós enviamos uma carta e nosso currículo para ser analisado pelo Concílio Geral. Agora estamos esperando a resposta que eles estarão enviando por correio. O Pr. Francesco está muito disposto a nos ajudar a chegar à Itália. Ele nos disse que, caso não tenhamos uma resposta positiva da Assembléia de Deus na Itália, ele estaria nos colocando em contato com outro pastor italiano. Orem para que Deus esteja fazendo a Sua vontade. Estamos crendo na vitória e tão logo tenhamos uma reposta estaremos comunicando com os amados irmãos.
A nossa viagem de pastoreio aos obreiros indianos já está marcada. Estarei saindo do Brasil no dia 19 de Maio e retornando no dia 12 de Junho. O trajeto será Rio / São Paulo / Munich (Alemanha) / Frankfurt (Alemanha) / Calcutá (India). Dá para ver que vai ser uma verdadeira maratona, mas foi o trajeto que tinha o melhor preço. Caso alguém queira ir conosco, ainda dá tempo. O custo desta viagem fica em torno de R$ 8.000,00 (passagens, taxas, alimentação, transporte e hospedagem). Os interessados poderão entrar em contato com SEMIPA pelo tel.: (24) 22242448 ou pelo e-mail: contato@semipa.org.br para maiores informações.
Os obreiros indianos, como eu também, estão muito ansiosos com a nossa visita. Eles estavam orando a muito tempo por isso e agora chegou a oportunidade. A minha vontade era levar a família toda, mas isto não é possível devido ao custo. Por isso peço oração, desde já, pela Alessandra e as crianças que vão ficar, como também pela minha viagem. Peço oração também pelo meu pai (Pb. Paulo Cunha) que está enfermo e precisa da vitória do Senhor.
Orem para que este tempo na Índia seja um tempo abençoado e abençoador. Estarei visitando inúmeras vilas, das quais algumas bem distantes. É nosso desejo estar documentando tudo, e quem sabe depois produzir um DVD para os que desejarem ver e acompanhar o desenvolvimento da obra missionária na Índia. Estejam orando por todos os detalhes desta viagem.
Peço que nos ajudem a divulgar a divulgar nosso Projeto. Por favor, se puderem, façam o download do nosso Projeto (as instruções estão na coluna direita de nosso blog) e dê uma cópia para um pastor ou amigo que esteja interessado em apoiar a obra missionária. Precisamos muito de mais intercessores e novos mantenedores para completar o nosso sustento para a Itália.
Uma vez mais, somos imensamente gratos a todos amados irmãos pelas vossas preciosas orações e contribuições para o nosso ministério. Muito obrigado por estarem em nossa retaguarda segurando as cordas!

Com gratidão,

Pr. Paulo Henrique, Alessandra, Matheus e Lucas
-----------------------------------------------------
Escreva para nós através dos e-mails:
ppaulo_henrique@hotmail.com | ppaulohenrique@gmail.com | alessandraccunha@hotmail.com

domingo, 5 de abril de 2009

PARA PENSAR

O cristão deve ganhar o mais que puder, economizar o mais que puder, para dar o mais que puder na Obra de Deus. Pois o cristão que ganha o mais que pode, guarda o mais que pode e não ajuda o mais que pode, eu confio mais na salvação de Judas Iscariotes do que na salvação desse cristão." (John Wesley, o grande pregador do século XVIII).

John Wesley nasceu e criou-se em um lar cristão, mas onde não havia abundância de pão. Com a venda dos livros de sua autoria ganhou uma fortuna, com a qual contribuía para a causa de Cristo; ao falecer, deixou no mundo "duas colheres, uma chaleira de prata, um casaco velho" e dezenas de milhares de almas salvas em época de grande decadência espiritual.

A História do VCC

Conta-se que certo caipira estava no seu trabalho rotineiro, num canavial, quando, de repente, olhou para o céu e teve uma visão. Ele viu as nuvens formarem as letras VCC.
Como era muito religioso, o caipira julgou que aquelas letras significavam: "VAI, CRISTO CHAMA". Fiel à visão, ele correu até o pastor de sua Igreja e contou-lhe o que havia ocorrido, chegando à conclusão de que gostaria de devotar o restante de sua vida à pregação do evangelho.
O pastor, surpreso diante do relato, disse:
- Mas para pregar o evangelho, é preciso conhecer a Bíblia. Você conhece a Bíblia o bastante para sair pelo mundo afora pregando a sua mensagem?
- Claro que sim, sô! - Disse o caipira.
- E qual é a parte da Bíblia que você mais gosta e conhece?
- As parábolas de Jesus, principalmente a do bom samaritano.
- Então, conte-a! - Pediu o pastor, querendo conhecer o grau de conhecimento bíblico daquele futuro pregador do evangelho. O caipira começou então a contar a "Parábola do Bom Samaritano", segundo a sua versão. Disse ele:
"Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu entre os salteadores. E ele lhes disse: 'Varões irmãos, escutai-me: Não tenho prata nem ouro, mas o que tenho, isso te dou'. E entregou-lhes os seus bens, e a um deu cinco talentos, e a outro, dois, e a outro, um, a cada um segundo a sua capacidade. E partindo dali, foi conduzido pelo Espírito ao deserto, e tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, teve fome, e os corvos alimento lhe traziam, pois alimentava-se de gafanhotos e mel silvestre. E sucedeu que indo ele andando, eis que um carro de fogo o ocultou da vista de todos. A rainha de Sabá viu isso e disse: 'Não me contaram nem a metade'. Depois disso, ele foi até a casa de Jezabel, a mãe dos filhos de Zebedeu, e disse: 'Tiveste cinco maridos, e o homem que agora tens, não é teu marido'. E olhando ao longe, viu a Zaqueu pendurado pelos cabelos numa árvore e disse: 'Desce daí, pois hoje almoçarei na tua casa'. Veio Dalila e cortou- lhe os cabelos, e os restos que sobraram foram doze cestos cheios para alimentar a multidão. Portanto, não andeis inquietos dizendo: 'Que comeremos?', pois o vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas essas coisas. E todos os que o ouviram se admiraram da sua doutrina."
O caipira, ansioso para saber como havia se saído, olhou para o pastor e perguntou:
- E então, pastô, eu tô pronto para pregá o evangelho?
- Olha, meu filho - disse o pastor - eu acho que aquelas letras que você viu no céu não significavam: "Vai, Cristo Chama". Antes, deveriam ser lidas: "VAI CORTAR CANA".