sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Do outro lado, Deus está bordando...

Quando eu era pequeno, minha mãe costurava muito. Eu me sentava no chão, brincando perto dela, e sempre lhe perguntava o que estava fazendo. Ela respondia que estava bordando. Todo dia era a mesma pergunta e a mesma resposta.
Observava seu trabalho de uma posição abaixo de onde ela se encontrava sentada e repetia:
" - Mãe, o que a senhora está fazendo ? " dizia-lhe que, de onde eu olhava, o que ela fazia parecia muito estranho e confuso. Era um amontoado de nós e fios de cores diferentes, compridos e curtos, uns grossos e outros finos. Eu não entendia nada.
Ela sorria, olhava para baixo e gentilmente me explicava:
"- Filho, saia um pouco para brincar e quando eu terminar meu trabalho, eu chamo você e o coloco em meu colo. Deixarei que veja o trabalho da minha posição."
Mas eu continuava a me perguntar lá de baixo:
"Por que ela usava alguns fios de cores escuras e outros claros ?"
"Por que me pareciam tão desordenados e embaraçados ?"
"Por que estavam cheios de pontas e nós ?"
"Por que não tinham ainda uma forma definida ?"
"Por que demorava tanto para fazer aquilo ?"
Um dia quando eu estava brincando no quintal ela me chamou: "- Filho, venha aqui e sente em meu colo."
Eu sentei no colo dela e me surpreendi ao ver o bordado. Não podia crer. Lá de baixo parecia tão confuso! E de cima vi uma paisagem maravilhosa!
Então minha mãe me disse:
"- Filho, de baixo parecia confuso e desordenado porque você não via que na parte de cima havia um belo desenho. Mas agora, olhando o bordado da minha posição, você sabe o que eu estou fazendo."
Muitas vezes, ao longo dos anos, eu tenho olhado para o céu e dito: "- Pai o que estás fazendo?".
Ele parece responder: "- Estou bordando a sua vida, meu filho."
E eu continuo perguntando: "- Mas está tão confuso... Pai, tudo em desordem. Há muitos nós, fatos ruins que não terminam e coisas boas que passam rápido. Os fios são tão escuros. Por que não são mais brilhantes?"
O pai parece me dizer: "- Meu filho, ocupe-se com seu trabalho, descontraia-se, confie em mim... E Eu farei o meu trabalho. Um dia colocarei você em meu colo e então vai ver o plano da sua vida da minha posição."
Muitas vezes não entendemos o que está acontecendo em nossas vidas. As coisas são confusas, não se encaixam e parece que nada dá certo. É que estamos vendo o avesso da vida. Do outro lado, Deus está bordando...

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Tempo de esperar

"Esperei com paciência no Senhor." Salmo 40.1

Esperar é muito mais difícil do que andar. Esperar requer paciência, e a paciência é uma virtude rara. É bom saber que Deus constrói cercas em volta do Seu povo, mas isto se considerarmos a cerca apenas do ponto de vista de proteção. Porém, quando uma cerca é conservada e, sendo uma cerca-viva, vai crescendo tanto que impede a visão do que está do outro lado, o coração começa a imaginar se algum dia ele sairá daquele pequeno círculo de influência e serviço em que está contido.
E às vezes é difícil para a pessoa entender por que não pode viver numa esfera maior. É-lhe difícil "brilhar no seu cantinho". Mas Deus tem um propósito em todos os Seus impedimentos. "O Senhor firma os passos do homem bom", diz o Salmo 37.23. "E as paradas também", era a anotação que George Muller tinha ao lado desse versículo, na margem de sua Bíblia. O homem que abrir caminho através das cercas de Deus cometerá um triste engano. Um princípio vital de orientação é que o crente nunca deve se afastar do lugar onde Deus o colocou, enquanto a Coluna de Nuvem não se mover.
Quando aprendermos a esperar sempre a orientação do Senhor em todas as coisas, seremos fortes, teremos a força que nos levará a ter um andar sempre equilibrado e constante. Muitos de nós estamos sem o poder que tanto desejamos. Mas Deus nos concede pleno poder para cada tarefa que Ele nos dá. Esperar, manter-nos fiel à Sua orientação , eis o segredo para obtê-lo. E qualquer coisa que sair fora desta linha de obediência é esperdício de tempo e energias. Esperemos vigilantes pela direção de Deus.
Uma pessoa que é obrigada a estar quieta, em inatividade forçada, e vê passar diante de si as ondas palpitantes da vida, será que a existência precisa lhe ser um fracasso? Não; a vitória é para ser conseguida em ficar parado: em uma espera tranqüila. E isto é muitas vezes mais difícil do que correr nos dias em que podemos estar ativos. Requer maior heroísmo ficar ali e esperar, sem perder o ânimo nem a esperança; submeter-se à vontade de Deus; deixar com os outros o trabalho e as honras dele; ficar calmo e confiante, regozijando-se sempre, enquanto a multidão feliz e atarefada avança e vai embora. É a vida mais elevada: "Tendo feito tudo, ficar firme".

Fonte: Mananciais no Deserto

Irmãos, orem por nós - Fratelli, pregate per noi!

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Um amigo

"Meu amigo não voltou do campo de batalha, senhor. Solicito permissão para ir buscá-lo", disse um soldado ao seu tenente.
"Permissão negada" replicou o oficial. "Não quero que arrisque a sua vida por um homem que provavelmente está morto".
O soldado, ignorando a proibição, saiu, e uma hora mais tarde, regressou mortalmente ferido, transportando o cadáver de seu amigo.
O oficial estava furioso. "Já tinha te dito que ele estava morto... Agora eu perdi dois homens! Diga me, valeu a pena ir lá para trazer um cadáver?"
E o soldado respondeu: "Claro que sim, senhor. Pois quando eu o encontrei, ele ainda estava vivo e ainda pode me dizer: "Tinha certeza que você viria!!!"
O verdadeiro amigo é aquele que vem, quando todos vão embora.

Em seu lugar o que faria Jesus?

Por Pr. Paulo Henrique

Quantas coisas que nós fazemos, que se Jesus estivesse em nosso lugar, Ele faria diferente!?
Você pode imaginar algumas agora?
Filipenses 2.5 diz: "De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus."
Através deste versículo, de maneira explícita, e também através de todo Novo Testamento nós podemos ver que a vontade de Deus é que sigamos o exemplo de seu Filho Jesus. Mas seguir o exemplo de Cristo, dentro do contexto do Novo Testamento, vai além de apenas repetir os atos, mas também ter os mesmos sentimentos, atitutes, pensamentos, desejos e atos. Isto é descrito de maneira prática na vida de Paulo quando ele diz: "Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim." (Gl 2:20)
Quando falo sobre este assunto, não me refiro, a especular qual seria a vontade, sentimentos e atos de Jesus nas diversas ocasiões da nossa vida, mas a deixar que Jesus, através do Espírito Santo, nos direcione, inspire e molde cada área da nossa vida, também a compreender e por em prática o que na Bíblia está escrito. A Bíblia não é apenas um livro histórico, mas também prático. Não é somente um livro para ser lido, mas também para ser entendido e seus príncipios seguidos e postos em prática. Através dela nós descobrimos e entendemos a vontade de Deus para nós em todas as áreas de nossas vidas.
Os exemplos, pensamentos, sentimentos e atos de Jesus estão revelados nas páginas da Bíblia Sagrada. É através dela que podemos entender o que faria Jesus em nosso lugar nas mais variadas situações do dia-a-dia.
Um texto muito profundo sobre este assunto está registrado no Sermão do Monte, proferido por Jesus. Neste texto Jesus contraria todo um conceito de justiça, santidade, religiosidade e moralidade de sua época. Ele não subistitui estes conceitos mas ele os enriquece e os traz do abstrato (ilusório) para o concreto (real). Para Jesus estes conceitos não eram apenas para serem decorados, mas eram para serem vividos e postos em prática no dia-a-dia.
Através do Sermão do Monte entendemos que quando nós nos iramos contra nosso próximo e proferimos insultos contra ele, e tão maléfico como matar alguém. Que olhar para uma mulher com olhar impuro e também adultério. Que não devemos guardar em nossos corações sentimentos de vingança e que devemos retribuir o mal que recebemos com o bem. E que o nosso amor deve ir além dos nossos amigos e chegar também aos nossos inimigos. Que devemos sempre fazer o bem sem nunca queremos nada em troca, para que não nos assemelhemos aos hipócritas fariseus. Desde texto e de muitos outros podemos entender o que Jesus faria em nosso lugar nas situações da nossa vida. E sejamos sinceros, quantas vezes fizemos e temos feito oposto ao que Jesus faria!
As palavras de Jesus para nós são: "Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também." (Jo 13:15). E que Deus nos ajude, a agirmos como Jesus agiu ou agiria nas mais diversas situações do nosso dia-a-dia!

sábado, 9 de agosto de 2008

Dez missionários

Dez ambiciosos missionários
Colocaram suas vidas em risco
Um parou para calcular o custo
E, então, sobraram nove

Nove missionários em potencial
Preocupados com o destino do mundo
Um achou que era velho demais
E, então, restaram oito

Oito missionários estudiosos
Aprenderam a pregar sobre o céu
Um preferiu ser fazendeiro
E, então, ficaram sete

Sete sinceros missionários
Partiram em direção ao arado
Um não conseguiu apoio
E, então, ficaram seis

Seis ansiosos missionários
Desejando muito chegar
Um cansou de esperar pelo visto
E, então, ficaram cinco

Cinco missionários idealistas
Chegaram ao solo estrangeiro
Um sofreu "choque cultural"
E, então, ficaram quatro

Quatro sérios missionários
Tão ocupados quanto possível
Um não manteve o casamento
E, então, ficaram três

Três missionários cansados
Tentando não ficar tristes
Um não voltou das férias
E, então, ficaram dois

Dois missionários maduros
Louvaram a Deus pelo que tinham feito
Um foi chamado à glória
E, então, só resta um

Um missionário idoso fazendo o que
pode fazer. Mas o trabalho é muito
grande. Quem irá ajudá-lo? Será você?

Envolvido ou Comprometido?



Varão ou anjo?!

Por Pr. Paulo Henrique

Varão. De acordo com o dicionário Aurélio, significa: Indivíduo do sexo masculino; homem adulto; homem corajoso, esforçado; homem respeitável; que é do sexo masculino (adj.).
Varão é uma palavra pouco utilizada no português moderno, mas muito utilizada, principalmente, no meio evangélico. As versões modernas da Bíblia têm substituído o presente termo por homem, visto o termo varão já quase não ser utilizado atualmente.
O Antigo Testamento emprega pelo menos cinco termos em hebraico com relação ao homem:
  • Adam, o nome do primeiro homem criado a imagem de Deus. “Adam” é traduzido por homem. Tem um sentido mais coletivo, mais genérico da raça humana (Gn 1.26,27; 5.2; 8.21; Dt 8.3). É equivalente ao termo latino “homo” e ao termo grego “anthropos” (Mt 5.13,16). Define propriamente a diferença do homem em relação à mulher.
  • Ish, "homem" ou “varão” (em algumas versões em português). Homem, como um indivíduo ou pessoa do sexo masculino. Define propriamente a diferença do homem em relação à mulher. Para alguns teólogos, “Ish” pode ser a forma contraída de “Enosh”.
  • Enosh, homem mortal, que é transitório, que perece (2 Cr 14.11; Isa 8.1; Jó 15.14; Sl 8.4; 9.19, 20; 103.15). Também se aplica a mulher (Js 8.25)
  • Geber, "um homem", do hebraico “gabar”, "ser forte", geralmente utilizado com referência a sua força (do homem), para distingui-lo das mulheres e crianças; um esposo.
  • Methim, "homens", sempre masculino.
O Novo Testamento emprega alguns termos gregos, dentre os quais:

  • Anthropos, geralmente um ser humano, homem ou mulher, sem referência a sexo ou nacionalidade.
  • Aner. Nunca é usada para mulheres. Significa, “homem, macho, varão”. Aparece traduzida (na KJV) como “homens” (79 vezes), “homem” (75 vezes), “esposo” (38 vezes), “esposos” (12 vezes), “senhores” (6 vezes), etc.
  • Tis. Significa “alguém”, “certa pessoa” fazendo alusão a “um homem”, “certo homem”.
  • Teleios significa “perfeito”. Em 1 Co 14.20 é traduzido por “homens”, significando alguém que já tenha atingido sua maioridade.

O termo “varão” na Bíblia é, na maioria das vezes, a tradução do termo hebraico “ish” ou do termo grego “aner”, que significa “homem”, como um indivíduo ou pessoa do sexo masculino. Não há nada de errado na utilização da palavra varão referindo-se a um irmão ou irmãos (somente do sexo masculino). O errado é aplicação do termo “varão” na letra de muitas músicas “evangélicas". Basta uma olhada superficial em muitas destas músicas para ver que, em muitos deles, se refere a um anjo; algumas à Jesus e, outras misturam Jesus e os anjos de tal maneira que você não sabe quem é quem na música ou, pior, dá-se a idéia de que o anjo é Jesus e Jesus é um anjo (uma terrível heresia).
Embora, algumas vezes, no Antigo Testamento anjos tenham aparecido para alguns personagens bíblicos como “homens” (ou, como preferem outros, “varões”), isto não serve de regra para que apliquemos a eles o título de varões ou homens. Na verdade, a Bíblia apenas mostra através destas passagens que eles se encontraram com anjos, sem saber que os mesmos eram anjos inicialmente (Hb 13.2). Tanto os que compõe estas músicas “evangélicas” quanto os que cantam têm muito claro em suas mentes que o “varão” destas músicas são, na maioria das vezes, anjos. A Bíblia é muito clara, e afirma categoricamente que os anjos não são varões (homens), mas “são todos eles espíritos ministradores, enviados para servir a favor dos que hão de herdar a salvação” (Hb 1.14).
Infelizmente a angelomania é muito presente no meio da comunidade evangélica. É varão (“anjo”) de fogo, que batiza com Espírito Santo, que cura, etc. A Bíblia é muito clara e mostra que a missão dos anjos não é “derramar brasas de fogo”, muito menos batizar com Espírito Santo ou trazer “novas” revelações para a Igreja de Cristo (Gl 1.8). É o Espírito Santo que derrama de Seu poder na igreja, como também é Jesus que batiza com o Espírito Santo. Devemos examinar tudo a luz das Sagradas Escrituras. Nenhum outra revelação, seja de que tipo for, deve contradizer ou acrescentar algo as Escrituras.
Que Deus nos guarde “para que não mais sejamos meninos, inconstantes, levados ao redor por todo vento de doutrina, pela fraudulência dos homens, pela astúcia tendente à maquinação do erro” (Ef 4.14).

Pr. Paulo Henrique P. Cunha

Bibliografia
  • Novo Dicionário Eletrônico Aurélio versão 5.0
  • Vine’s Dictionary of New Testament Words
  • Brown-Driver-Briggs Hebrew Definitions
  • Easton’s Bible Dictionary
  • Smith’s Bible Dictionary
  • Thayer’s Greek Definition
  • Strong’s Hebrew and Greek Dictionaries
  • King James Concordance

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Carta Informativa - Agosto de 2008

São José do Vale do Rio Preto / RJ,4 de agosto de 2008.

Não cesso de dar graças a Deus por vós, lembrando-me de vós nas minhas orações” (Ef 1:16)

Amados irmãos e companheiros na obra missionária,

Graça e paz vos sejam multiplicadas.

Aqui estamos todos bem, graças ao nosso Bom Deus. Ele é fiel e tem cuidado de nós de uma maneira especial, apesar das muitas lutas e desafios.
Conversando com vários missionários ao longo da nossa vivência missionária e, agora, por experiência própria podemos dizer que um dos tempos mais difíceis na vida do missionário e sua família é, exatamente, o tempo que vivemos agora: de espera para retornar ao campo missionário.
Tenho conversado com alguns companheiros e recebido e-mails de outros que passam por situações semelhantes. Desejam voltar ao campo missionário, mas enfrentam muitas dificuldades. Para a grande maioria deles faltam mantenedores que segurem as cordas da contribuição e oração. Não bastasse ao missionário se desprender de tantas coisas para obedecer o chamado de Deus, bem como enfrentar tantos desafios numa cultura diferente da sua (que envolve línguas, costumes, etc.), ele vive, muitas vezes, uma via-crúcis na busca de mantenedores que estejam dispostos a ir ao campo missionário com ele através de suas contribuições e orações. É lamentável que nesta busca ele colecione promessas não cumpridas.
Uma das coisas que temos apreendido é a amar, valorizar e orar incessantemente por todos nossos mantenedores, dos quais uma grande parte tem sido fiéis e constantes na retaguarda missionária. É claro que temos vivenciado com outros experiências como narradas acima, mas sentimo-nos honrados e agradecidos a Deus pela vida de tantos amados irmãos e igrejas que têm estado conosco na obra missionária. Estes têm lutado conosco as batalhas, como também são participantes de todas as nossas vitórias.
Ainda temos muitos desafios e gostaríamos de poder continuar contando com os amados irmãos e tantos outros que queiram nos ajudar a retornar ao campo missionário, desta feita em terras italianas. Um dos grandes desafios é com relação à documentação para darmos entrada no pedido dos vistos. Estamos avaliando e estudando outras possibilidades além do visto religioso, pois até o momento não tivemos sucesso, apesar das tentativas e contatos para conseguirmos a documentação para este tipo de visto. Precisamos muito das orações para que Deus esteja dirigindo todos os nossos passos e abrindo estas portas. Outro grande desafio são novos mantenedores. Temos algumas promessas, mas até o momento só podemos contar fielmente com cerca de 60% do valor do sustento necessário para estarmos na Itália. Precisamos que estas promessas se tornem realidade e que Deus levante novos mantenedores para possamos completar o nosso sustento antes de irmos para a Itália. Orem por isso!
Apesar de tudo, temos muita convicção que no kairós (tempo) de Deus estaremos chegando na Itália. É claro, que desejamos que isso seja o mais breve possível. Cremos que a vitória está bem perto!
Somos imensamente gratos a todos amados irmãos que tem batalhado conosco, sendo uma fiel retaguarda na oração e contribuição. Vocês são participantes de cada vitória. Eu sei que Deus tem e continuará a abençoar a cada um de maneira especial. Obrigado a todos por estarem conosco na obra missionária!
Em tempo, convidamos a todos para participarem do 15º Congresso Missionário de SEMIPA, de 05 a 09 de Setembro, onde poderemos rever os amados irmãos.

Com gratidão,

Pr. Paulo Henrique, Alessandra, Matheus Henrique e Lucas Henrique
-----------------------------------------------------
Escreva para nós através dos e-mails:
ppaulo_henrique@hotmail.com | ppaulohenrique@gmail.com | alessandraccunha@hotmail.com

O segredo do sucesso de Moisés

Por Pr. Paulo Henrique

Podemos ler na Bíblia sobre muitos homens e mulheres que foram usados por Deus de uma maneira especial, mas poucos deles tiveram tão grande privilégio como Moisés de ver a glória de Deus a ponto de seu rosto absorver e refletir parte desta glória.
Mas o que tinha Moisés de especial? Era Moisés mais perfeito do que você e eu? A resposta é não. Moisés era sujeito as mesmas falhas e fraquezas como nós. A Bíblia não omite seus erros e falhas, como: quando desejando libertar seu povo na sua própria força matou um egípcio; ou quando feriu a pedra duas vezes, quando Deus tinha ordenado somente falar a pedra, perdendo o direito de entrar na terra prometida. Moisés teve falhas, fraquezas, mas também muitos sucessos.
Mas qual foi o segredo do sucesso de Moisés? Foi ter sido bem preparado nas melhores escolas do Egito? Foram suas habilidades naturais?
Por certo Deus não desperdiçou ou anulou seu preparo no Egito ou suas habilidades naturais, mas não foram estes o segredo do sucesso de Moisés. Aliás, quando Moisés, possivelmente, pensava estar preparado para libertar seu povo, quando estava na escala de sucessão do Faraó e no auge de suas forças e que teve a amarga experiência de saber que ainda não estava preparado. Depois de matar um egípcio e ainda ser rejeitado pelos hebreus tem de deixar tudo e as pressas fugir para o deserto de Midiã, onde passaria quarenta anos na escola do quebrantamento!
Deus usou o deserto para ensinar a Moisés o que o palácio nunca teria ensinado a ele. Quarenta anos no deserto ensinou a Moisés a servir e a depender inteiramente de Deus. A dependência de Deus é melhor aprendida no deserto. Após 40 anos no deserto Moisés estava agora preparado para aquilo que Deus queria fazer através da vida dele.
No deserto Deus fala com Moisés através de uma sarça ardente e revela Seus planos de libertar o Seu povo do Egito através da vida de Moisés. Neste momento podemos ver um Moisés completamente transformado, um aluno graduado pela escola do quebrantamento. "Então Moisés disse a Deus: Quem sou eu, que vá a Faraó e tire do Egito os filhos de Israel?" (Êx 3:11).
Moisés não disse: Eu sou… isto ou aquilo. Ao invés disso disse: Quem sou eu? Esta pequena expressão é suficiente para demonstrar que Moisés se considerava agora incapaz de na sua própria força libertar o povo da escravidão. Ele estava preparado agora para aprender a grande lição que, de Deus, de Deus somente vem nossa força e vitória. Não importa quanto bem preparado tenhamos sido ou quantas habilidade naturais tenhamos, sem Deus somente nos conduzirá a uma grande e amarga decepção. É Deus o segredo do sucesso de Moisés e não seu preparo no Egito; é Deus a fonte de suas vitórias e não suas habilidades! Deus nos deixará no deserto até nós ouvirmos sua voz e aprendermos que somos totalmente dependentes dEle. Deus freqüentemente não nos ajuda enquanto nós ainda estamos confiantes que podemos resolver nossos problemas por nós mesmos. Muitas vezes, Deus ao invés de mudar as circunstâncias, Ele prefere nos mudar para que possamos aceitar as circunstâncias.
Foram no deserto as maiores experiências de Moisés com Deus. Foi no deserto e não no palácio que Deus Se fez conhecido a Moisés. Não há lugar que possa satisfazer sem Deus; não há riqueza que possa satisfazer sem Deus; nenhum prazer humano pode satisfazer sem Deus. Aprendemos também que é melhor o deserto com Deus do que outro lugar sem Deus!
A semelhança de Moisés, Deus quer nos usar também, mas somente depois de aprendermos a servir e depender totalmente dEle. Deus, Deus somente é a fonte de nossas vitórias!
Muitas vezes ainda Deus nos compara a vasos, vasos de barro; e muitas vezes esses vasos precisam ser quebrados e refeitos novamente de acordo com a vontade do oleiro, para que Ele possa encher com Seu tesouro. "Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós." (2Co 4:7)