quinta-feira, 31 de julho de 2008

Você já orou por nós hoje?

Olimpíadas especiais

Alguns anos atrás, nas olimpíadas especiais de Seattle, nove participantes, todos com deficiência mental ou física, alinharam-se para a largada da corrida dos cem metros rasos. Ao sinal todos partiram, não exatamente em disparada, mas com vontade de dar o melhor de si, terminar a corrida e ganhar.
Enquanto todas corriam, um garoto tropeçou no asfalto, caiu rolando, e começou a chorar. Os outros oito ouviram o choro. Diminuíram o passo e olharam para trás. Então viram o que aconteceu com o colega e voltaram. Todos eles. Uma das meninas, portadora de síndrome de Down, ajoelhou-se, deu um beijo no garoto e lhe disse: "pronto, agora vai sarar". E todos os nove competidores deram os braços e andaram juntos até a linha de chegada.
O estádio inteiro se levantou e os aplausos duraram muitos minutos. E as pessoas que estavam lá, naquele dia, continuam repetindo essa historia até hoje. E por quê? Porque, lá no fundo, nós sabemos que o que importa mesmo não é ganhar sozinho. O que importa nesta vida é ajudar os outros a vencer, mesmo que isso signifique diminuir o passo e mudar o curso.
Nesses dias de pressas e atropelos, quando cada um quer chegar em primeiro lugar na corrida para o sucesso, vale a pena fazer uma pausa para pensar onde queremos chegar. Refletir sobre a recompensa que nos aguarda ao final da escalada. Pensar se valerá a pena receber um prêmio pelo esforço individual, se, para chegar lá passamos por cima daqueles que estavam no chão, ou daqueles que nós mesmos derrubamos.
O desejo de vencer é nobre, desde que o acompanhe o sentimento de fraternidade, de solidariedade. Como diz o cancioneiro popular, "é impossível ser feliz sozinho". Se formos o vencedor, para que a nossa vitória tenha sabor, é preciso que a compartilhemos, no mínimo, com uma pessoa. Senão a vitória não tem sentido.
Por tudo isso, façamos das nossas lutas diárias uma olimpíada tão especial tanto quanto aquela de Seattle. Se por ventura percebermos que alguém caiu, detenhamos o passo, e, se for preciso, voltemos para estender-lhe a mão e ajudá-lo a levantar-se. Afinal de contas, não sabemos se logo mais não seremos nós que estaremos no chão esperando que alguém ouça os nossos soluços de dor e pare para nos ajudar a levantar e retomar o passo.
(Anônimo)

sábado, 26 de julho de 2008

Uma lição que a história de Jonas nos ensina

Por Pr. Paulo Henrique

Tenho ouvido muitas vezes a respeito do profeta Jonas, como um tipo do missionário. Muitas destas pregações que ouvi a respeito do profeta Jonas foram profundas e bíblicas, mas poucas delas tocaram uma importante lição que Deus nos dá através da vida e ministério de Jonas.
Existem muitos pontos e lições importantes nesta história, mas não quero aqui fazer outra pregação a respeito da já tão conhecida história do profeta Jonas, mas meu objetivo é analisar de forma breve um ponto extremamente importante nesta história.
Todos nós sabemos de como Jonas vivia bem em sua terra, até que Deus o envia para a temível cidade de Nínive. Neste ponto a vida de Jonas sofre uma grande reviravolta. Jonas então inicia um catastrofica viajem de fuga do Senhor. Ao iniciar esta viajem ele tem um objetivo: ir para o mais distante possível na direção oposta a Ninive, que era o local que Deus lhe tinha enviando. No meio desta viajem, sobreveio um grande tempestade, ele é lançado no mar e engolido por um grande peixe. No interior deste grande peixe ele passa um por período de 3 dias de reflexão e oração. Após ser vomitado numa praia, veio a segunda vez a ele a palavra do Senhor e agora arrependido ele prossegue para onde Deus lhe tinha enviado. Começa a pregar ali a mensagem que o Senhor lhe tinha dito e toda a cidade se arrepende de seus pecados e se humilha perante o Senhor. Poucas vezes na história algo tão grande assim aconteceu, 120 mil homens, fora as mulheres e crianças, creram na palavra de Deus e se arrependeram profundamente de seus pecados através da pregação de um único homem.
Muitos poderiam ter sido os temores de Jonas que o impediram de obedecer o chamado de Deus na primeira vez, e não vou analisá-los aqui para não ser muito extenso. De semelhante modo, muitos temores tem impedido muitos de realizar a obra missionária: a saudade, solidão, perseguição, diferenças culturais e tantas outras. Mas uma coisa aprendemos com a história de Jonas, que não existe melhor local para se estar, do que no centro da vontade de Deus. No centro da vontade de Deus há proteção, cuidado, providência, consolo e tudo mais o que você precisar. Agora o centro da vontade de Deus, muitas vezes não é o centro de minha vontade própria. A vontade de Jonas em ir para Tarsis não era a vontade de Deus, e no caminho de sua vontade própria só encontrou calamidades, ainda que aos olhos humanos Tarsis talvez fosse a melhor opção comparado a temível cidade de Nínive. Mas quando Jonas resolve obedecer a vontade de Deus, todos os impecilhos são removidos, e homens que não temiam e nem se curvavam diante do mais poderoso exército, agora se curvava e se humilhava diante de Deus, através da mensagem de um único e desarmado homem. Que grande paradoxo!
Não importa onde, pode ser no Afeganistão, qualquer país da Ásia ou outro lugar do mundo, o centro da vontade de Deus é e será sempre o melhor lugar para nossas vidas! Seja um lugar extremamente pobre, mas se é na vontade de Deus, ali haverá provisão! Se num local de trevas espirituais, ali brilhará o Sol da Justiça! Se num deserto, ali jorrará a água da vida!
Não busque conforto ou seguir a sua própria vontade, mas busque, entenda e siga a vontade de Deus para sua vida! O centro da vontade de Deus é o melhor lugar para você estar e permanecer!

quinta-feira, 17 de julho de 2008

"Não temas”. Quantas vezes aparece na Bíblia?

Por Pr. Paulo Henrique

Muitos afirmam com “tanta certeza” que a expressão “não temas” aparece 366 vezes na Bíblia. Muitos não ousavam questionar tal afirmação, pois quem teria coragem de sair folheando a Bíblia e contando uma a uma?! Agora com tantas versões da Bíblia para computadores é coisa de segundos.
Fiz uma rápida pesquisa, não com a intenção de dar uma resposta final para a pergunta acima, mas apenas para mostrar que muitos se contentam apenas em sair repetindo algo que ouviram sem procurar ao menos confirmar a veracidade de tal afirmação.
Na minha pesquisa utilizei duas versões em português e três em inglês. Além de utilizar a expressão “não temas”, pesquisei também a expressão “não temais”, muito utilizada no Novo Testamento. Já no inglês usei expressões equivalentes, tanto em inglês moderno como antigo (“do not fear”, “do not be afraid”, “be not afraid” e “fear not”). Abaixo segue o resultado desta rápida pesquisa com a expressão “não temas” e equivalentes somados:
* Almeida Corrigida Fiel – 84 vezes
* João Ferreira de Almeida Atualizada – 92
* King James Version (Versão do Rei Tiago) – 89
* Modern King James Version (Versão Moderna do Rei Tiago) – 119
* New American Standard Bible – 119

A estória de ter uma expressão “não temas” para cada dia do ano, como alguns afirmam, parecia tão boa – podem afirmar alguns. Minha intenção não é trazer desesperança ao coração de ninguém. Ao contrário, meu desejo é reafirmar as promessas e bênçãos de Deus para a vida daqueles que o servem com coração sincero.
Na verdade não é preciso que tenhamos registrado na Bíblia 366 vezes a expressão “não temas” para nos sentirmos seguros. Quando é o Senhor que está dizendo “não temas”, uma só seria suficiente! Ele não precisa ser relembrado de Suas promessas (Nm 23.19; Hb 6.18). Ele não se esquece dos Seus, nem por um segundo (Is 49.15; Hb 13.5). Ainda assim encontramos perto de uma centena de vezes na Bíblia. Alguns se preocupam mais com o número de vezes que esta expressão aparece na Bíblia do que com o Deus que diz: “não temas!”. Ele é fiel e prometeu sempre estar conosco todos os dias, até a consumação dos séculos (Mt 28.20).
Ele estará dizendo para você “não temas” tantas vezes quanto for necessário em sua vida, para que você possa descansar em seus braços de amor. NÃO TEMAS!

------------------------------

    Resolvi adicionar aqui a minha resposta ao comentário do querido Pb. Edson Zaion, adicionado a este artigo, pois penso que será proveitoso para o nosso conhecimento das Escrituras.
     O comentário diz: Gostaria de acrescentar um comentário do nosso irmão Luiz Fontes, um tremendo erudito, para Glória de Deus: Segundo alguns eruditos a expressão “não temas” que no hebraico é yare’ ocorre 305 vezes. Segundo esses estudiosos, quando voce soma todos os equivalentes desse termo como uma promessa dos cuidados protetores de Deus para Seu povo chegamos a 365 vezes.

     Minha resposta: Respondendo ao seu comentário, penso que seja importante fazer algumas importantes considerações:
   1) A expressão “não temas” e algumas de suas variantes no AT vêm do verbo hebraico “yârê'” (um verbo que significa “temer, respeitar, reverenciar, ter medo, ser temido, causar medo, assustar” – sendo que as traduções mais comuns são “sentir medo, temer, temer a Deus”), mas algumas referências são a tradução do verbo hebraico “‛ârats” (tremer, pavor, medo, temor, estar apavorado, etc.), que aparece 17 vezes no AT e algumas vezes é também traduzida como “não vos atemorizeis” (Dt 31.6), “espanto” (Is 8.13), “espantar” (Is 2.19), “temer a Deus” (Is 29.23) dentre outros.
    2) No NT a expressão “não temas” é a tradução do termo grego “phobeō” (causar medo, aterrorizar, amedrontar) e seus derivados. O termo “phobeō” aparece mais de 90 vezes. Seus sinônimos são “sébomai” (reverenciar) e “trémō” (tremer).
    3) Como pode ser visto nos pontos acima, a Bíblia usa diferentes termos, seja no hebraico como no grego, para a expressão não temas e suas variantes (não temais, não vos atemorizeis, não tenhas medo, etc.).
   4) Uma das regras fundamentais da hermenêutica diz: “É fundamental tomar as palavras no sentido que indica o conjunto da frase”. Apesar do significado do texto estar ligado tanto ao contexto imediato como ao seu contexto remoto, convém destacar que o significado de “uma palavra” no texto vai ser definido pelo seu contexto imediato. Palavras iguais podem ter significados diferentes em contextos diferentes. Outras passagens (contexto remoto ou geral) podem nos ajudar a determinar os vários significados possíveis de uma palavra, mas apenas o contexto imediato pode restringir as possiblidades para chegar ao verdadeiro significado da palavra. Cada palavra tem muitos significados, e o significado aplicado pelo autor vai depender do contexto imediato da passagem. Um exemplo claro, é a palavra hebraica “rûach”, que aparece mais de 500 vezes no AT e que pode ser traduzida como “Espírito [do Senhor]” (Gn 1.2; 6.3, 1Sm 19.20; etc.) , “espírito [humano]” (Gn 26.35; 41.8; 45.27; etc.), “espirito [maligno]” (1Sm 16.16,23; 18.10; 19.9); “vento” (Gn 8.1; Ex 10.13; Sl 104.3, etc.),  “fôlego [de vida]” (Gn 6.17; 7.15; etc.); “lado” (Jr 52.23; Ez 42.16-19), dentre outros significados. A mesma coisa acontece com o termo grego “pneuma” no NT, podendo significar “Espírito [Santo]” (Mt 1.18; At 15.28; 1Co 12.4; etc.), “espírito [humano]” (Mt 5.3; 26.41; Lc 1.47; etc.), “espírito [imundo]” (Mt 12.43; Mc 1.23,26; etc.), “vento” (Jo 3.8), dentre outros.
  5) Concluindo, se juntarmos todas as referências do AT onde aparece o verbo hebraico “yârê'” teremos uma coletânea de versículos que tratam de assuntos diversos e diferentes entre si, como: “temer, respeitar, reverenciar, ter medo, ser temido, causar medo, assustar”. Dificilmente poderíamos tomar todas as referências do verbo hebraico “yârê'” como uma promessa de Deus, pois não é esta a intenção do escritores bíblicos que a usam com diferentes sentidos. Na verdade as melhores traduções da Bíblia (seja em português, inglês ou outra língua) tem como objetivo facilitar a nossa compreensão traduzindo estas palavras no sentido pretendido pelo escritor bíblico, com base no seu contexto imediato e lógico. Assim, seria mais acurado pesquisar o assunto “não temas” utilizando o sentido pretendido (e seus semelhantes) e não com base em uma única palavra, visto que esta palavra pode ter sentido diferentes em diferentes passagens bíblicas.

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Carta informativa - Julho de 2008

São José do Vale do Rio Preto / RJ,11 de julho de 2008.

Dou graças ao meu Deus todas as vezes que me lembro de vós, fazendo sempre com alegria oração por vós em todas as minhas súplicas, pela vossa cooperação no evangelho desde o primeiro dia até agora." (Fp 1:2-5).

Amados irmãos e companheiros na obra missionária,

Graça e paz vos sejam multiplicadas.

Somos gratos a Deus pela vida de todos os amados irmãos que têm sido uma retaguarda fiel de oração e contribuição.
Queremos agradecer a todos que têm orado por nós e compartilhar uma vitória. Passei no último no exame de direção na primeira e já estou com minha carteira de motorista.
Ainda estamos buscando os meios para conseguirmos o visto para a Itália e, também, buscando novos mantenedores para completar o valor do sustento mensal necessário para quando estivermos na Itália. EU CREIO EM MILAGRES!
Estava relendo nossas cartas, de quando ainda estávamos na Índia, onde estavam registrados muitos sentimentos e desafios que estávamos passando quando aquelas cartas foram escritas. Encontrei muitos desafios, como: vistos, necessidade de mais mantenedores, adaptação ao novo país, as línguas, a cultura e muitos outros. No meio de todos estes desafios não imaginávamos o que Deus estaria fazendo por, com e através de nós. Aliás, sempre costumo dizer que Deus nos surpreendeu, fazendo muito mais do que imaginávamos. Aqueles desafios foram vencidos e o mais importante, hoje temos centenas de almas salvas através do nosso ministério na Índia. Glórias a Deus! Mas, o que aconteceria se diante daqueles desafios tivéssemos desanimado ou desistido?! Somos gratos a Deus que não nos deixou desistir, bem como, a todos os amados irmãos que também não desistiram e juntos pudemos colher muitos frutos na Índia, para honra e glória do Senhor Jesus Cristo.
Hoje, mais uma vez, estamos diante de desafios que precisam ser vencidos para chegarmos a Itália. E, quando chegarmos na Itália, sei que teremos novos desafios. Aliás, desafio é uma palavra sempre presente, tanto em missões como na vida do missionário. Mas, o nosso Deus é especialista em desafios. Ele é o Senhor dos impossíveis! Por isso, mesmo diante de tantos desafios a obra missionária continua sendo feita e os missionários continuam colocando suas vidas como instrumentos nas mãos do Senhor para abençoar a tantos povos, em tantos lugares.
Sei que um dia, num futuro próximo, estarei, talvez, relendo esta carta ou lembrando dos desafios atuais e dizendo mais uma vez: “Obrigado Senhor por não ter nos deixado desistir!”. Tenho uma profunda convicção e também muitas promessas de Deus que, outra vez, estará nos surpreendendo, fazendo muito mais do que imaginamos. E, tenho a certeza, que todos aqueles amados irmãos que têm sido fiéis e constantes em nossa retaguarda de oração e contribuição poderão dizer o mesmo.
Lembro-me de uma frase que li, no correio Semipa e é mais ou menos assim: "Qual a sua atitude diante dos Golias (desafios)? - Muito grande para acertar. Ou como Davi? - Muito grande para errar!" Qual é a nossa atitude diante dos desafios da evangelização mundial? Ficarmos acovardados, olhando apenas os desafios ou tomamos uma decisão, uma atitude para que os desafios sejam vencidos, as muralhas sejam postas por terra, o nome do Senhor seja engrandecido e muitas almas possam vir para Cristo?! Não podemos apenas ficar olhando os desafios, mas temos que prosseguir, seguir em frente e vencer estes desafios em nome de Jesus! Sempre costumo dizer: “Missões é o mais ousado projeto de vida, mas também é o mais recompensador!” A recompensa é poder contemplar as almas, outrora tão longe e distante de Deus, vindo aos pés da Cruz. Deus usou e continua a usar muitos de seus instrumentos. Os instrumentos que Deus usa são homens e mulheres, apaixonados pelas almas perdidas e que se colocam a Sua disposição. Alguns ele envia para o campo, mas outros ele usa para a, igualmente, importante obra de sustentar e orar pelos que estão no campo. Vocês são os instrumentos que Deus tem e continuará a usar para que possamos estar semeando a preciosa Palavra de Deus em terras italianas.
Obrigado a todos por estarem conosco na obra missionária!

Com gratidão,

Pr. Paulo Henrique, Alessandra, Matheus Henrique e Lucas Henrique
-----------------------------------------------------
Escreva para nós através dos e-mails:
ppaulo_henrique@hotmail.com | ppaulohenrique@gmail.com | alessandraccunha@hotmail.com

Fotos da formatura em Capelania pela UNIPAS Internacional


Carta Informativa - Junho de 2008

São José do Vale do Rio Preto / RJ,18 de junho de 2008.

“...Eu sou o Senhor; na hora certa farei que isso aconteça depressa” (Is 60.22)


Amados irmãos e companheiros na obra missionária,

“Grazia a voi e pace da Dio, Padre nostro, e dal Signor Gesù Cristo.” (Ef 1.2)

Aqui, estamos todos bem, graças ao nosso Bom Deus. Durante algumas semanas sofri uma das piores crises de sinusite que já tive, mas agora já estou quase completamente recuperado. Obrigado por todos que têm orado por nós.
No final do mês passado (29 de Maio) a nossa família teve um grande choque com a morte do meu tio Altair. Ele era um dos tios mais chegados e a sua morte chocou a todos, visto que, aparentemente, ele não tinha nenhum problema grave de saúde. Agradeço a todos os irmãos que escreveram, telefonaram e oraram por todos os familiares.
No dia 31 de maio tive a oportunidade de participar do curso intensivo para formação de Capelães pela UNIPAS (União Internacional de Pastores e Capelães Voluntários). A credencial da UNIPAS é reconhecida em cerca de 12 países e cremos que a experiência adquirida poderá ser muito útil, tanto a nível local como no campo missionário. Estamos buscando autorização junto às autoridades municipais para estarmos desenvolvendo um projeto piloto de Capelania Hospitalar, com base na Lei Estadual Nº 4.622, de 18 de outubro de 2005. Orem por este projeto e por direção da parte de Deus.
Com relação à ida para a Itália estamos em contato para conseguirmos a documentação e o visto. Até o momento infelizmente não temos nada de concreto. Infelizmente as leis na Itália tem se endurecido a cada ano. Segundo o relato de outros missionários na Itália as coisas têm piorado para os estrangeiros, com muitas agressões, vandalismo, perseguição, atos de racismo e xenofobia (aversão a pessoas e coisas estrangeiras) por toda a Itália. Segundo um missionário que trabalha há vários anos na Itália tem uma prefeitura que oferece 500 euros para cada estrangeiro sem documentos pego pela polícia. Isto é uma pequena amostra de como a Itália tem endurecido as leis para os estrangeiros. Muito mais poderia ser dito, mas falta espaço. Por favor, continue orando, pois cremos na vitória que já esta a caminho, em nome de Jesus.
Somos imensamente gratos a todos amados irmãos por tudo que vocês têm realizado em prol da obra missionária e de nossas vidas. Não temos como recompensá-los, mas temos a certeza de que o nosso Bom Deus têm e continuará a abençoá-los abundantemente.

Motivos de oração:
* Por nossa saúde física, espiritual e emocional;
* Pelos obreiros indianos e continuidade da obra na Índia;
* Por novos mantenedores, bem como, recursos para as passagens aéreas e seguro de vida internacional;
* Pelos vistos para a Itália;
* Pelos preparativos e o tempo da nossa ida;
* Pelo aprendizado e fluência na língua italiana.

Com gratidão,

Pr. Paulo Henrique, Alessandra, Matheus Henrique e Lucas Henrique

-----------------------------------------------------
Escreva para nós através dos e-mails:
ppaulo_henrique@hotmail.com | ppaulohenrique@gmail.com | alessandraccunha@hotmail.com